quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

"SOS cultura" Por falta de dinheiro, Cine Teatro Cuiabá fecha as portas

O motivo é a falta de repasses de recursos financeiros para custeio, na ordem de R$ 386 mil, segundo informações da Secretaria Estadual de Cultura


O Cine Teatro Cuiabá, um dos principais símbolos do Patrimônio Histórico, Artístico e Cultural de Mato Grosso, localizado na Avenida Getúlio Vargas, no Centro da Capital, fechou as suas portas e não há data prevista para a reabertura.

O motivo é a falta de repasses de recursos financeiros para custeio, na ordem de R$ 386 mil, segundo informações da Secretaria Estadual de Cultura.

Os repasses são referentes ao ano de 2012, quando a pasta era administrada pelo deputado estadual João Malheiros (PR) - eleito vice-prefeito de Cuiabá e que renunciou ao cargo.

No ano passado, o Cine Teatro recebeu repasses no montante de R$ 420 mil, considerados insuficientes para cobrir as despesas e garantir o pagamento dos salários dos funcionários.

Diante do valor acumulado, que foram estornados, a empresa detentora da concessão para administrar o local resolveu devolver o cine para o Estado.

Desde outubro de 2009, o Instituto Mato-grossense de Desenvolvimento Humano (IMTDH) respondia pelo gerenciamento do local.

O Cine Teatro é constituído como Patrimônio Histórico e Artístico Estadual, tombado pela Fundação Cultural de Mato Grosso, conforme portaria nº. 30/84, de 31 de setembro de 1984, publicada no Diário Oficial de 10 de setembro do mesmo ano.

O assessor especial da Secretaria de Cultura, João Carlos Vicente Ferreira, em entrevista ao MidiaNews, lamentou o fechamento do Cine Teatro e avaliou que a situação já estava insustentável.
Segundo ele, a reabertura do espaço é uma das prioridades da atual secretária de Cultura, Janete Riva.

“Infelizmente, isso acontece na administração pública. É lamentável o fechamento, mas sabemos que não tinha como a empresa continuar atuando sem receber. A administração do IMTDH foi louvável, uma postura ética e profissional inquestionável. Mas, sabemos que não tem como passar por constrangimentos e também receber cobranças sem ter como arcar”, disse Ferreira, que foi secretário estadual de Cultura, na gestão de Blairo Maggi (PR).

Segundo a Secretaria de Cultura, tão logo a devolução do Cine Teatro seja oficializada, com quebra de contratos, será aberto um novo processo licitatório, para a contratação de uma nova administradora.

“Temos o interesse em colocar o Cine Teatro para atuar o mais breve possível. Ele é um patrimônio de toda a população. Sabemos da importância dele na sociedade. Logo que a devolução for efetiva, iremos lançar o edital para contratar outra empresa. Saldar as dívidas com a empresa anterior também é urgente. Ainda não podemos revelar uma data para reabertura, mas será rápido”, disse João Carlos Ferreira.

Histórico

O Cine Teatro Cuiabá (CTC) foi Inaugurado em 23 de maio de 1942, durante o Governo de Júlio Strübing Muller e fazia parte do conjunto de “obras oficiais” do Estado Novo.

O CTC foi construído com estilo arquitetônico art-decó e tem capacidade para 600 pessoas.

Em 1984, ocorreuo seu tombamento, foi definido como Patrimônio Histórico e Artístico do Cenário Arquitetônico de Mato Grosso.

O CTC se estabeleceu como um centro das atividades culturais cuiabanas por mais de 55 anos e, mesmo sendo um marco da evolução sóciocultural da Capital, foi arrendado por várias vezes e, a partir de 1996, ficou fechado por quase 12 anos.

Após uma grande reforma, que manteve as características arquitetônicas da época de sua construção, o espaço foi devolvido à sociedade cuiabana.

As suas portas foi reaberta no dia 21 de maio de 2009 e fechadas novamente em dezembro de 2012.

Fonte: Midianews

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Reunião com proprietários de barracas do XI Parê Folia acontece na sexta-feira, 1º de fevereiro


A Prefeitura de Campo Novo do Parecis, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo, comunica e convida todos os locatários das barracas interessados em participar do carnaval 2013 a estarem presentes na reunião com membros da organização do evento, no dia 1º de fevereiro, às 9h, na Secretaria de Cultura e Turismo.

A pauta da reunião tem a finalidade de explicar sobre algumas mudanças ocorridas e que serão aplicadas no carnaval desse ano, bem como estipular preços para a locação dos espaços, entre outros assuntos referentes à inserção das barracas no local da realização do XI Parê Folia.

Para maiores informações, entrar em contato com a Secultur pelos telefones: 3382-2488 ou 3904-2095, ou na sede da Secretaria, Rua Severino de Lima, 1206NE, Bairro Nossa Senhora Aparecida.

Fonte: AssCom com SECULTUR

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Para refletir!


Os problemas significativos que enfrentamos não podem ser resolvidos no mesmo nível de pensamento em que estávamos quando os criamos.

Albert Einstein

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Posse do Conselho de Política Cultural ocorre amanhã


O Conselho Municipal de Política Cultural convida a comunidade em geral, especialmente a classe artística, para reunião ordinária nesta quarta-feira, 23 de janeiro, às 19h, no Plenário da Câmara Municipal de Vereadores.

Constam da pauta, os seguintes assuntos:

Posse dos novos conselheiros - gestão 2013/2014;
Eleição da Mesa Diretora e Comissões Temáticas;
Informações sobre o PROAC 2013 – Programa de Apoio a Cultura.

Para refletir!


O pensamento é o ensaio da ação.

Sigmund Freud

Princípios básicos



Alguns princípios como moral, ética, caráter e honestidade são fundamentais para a convivência social, e todos, de qualquer nível social ou educacional, mesmo os que jamais foram a uma escola ou que cresceram órfãos possuem conhecimento da maioria destes.

Sabem que não podem ser imorais, sem ética, roubar ou cometer qualquer tipo de crime, mas em nosso país isso não ocorre, pois mesmo buscando mais informações e pesquisando sobre o significado de cada uma dessas palavras, nada encontrei além do que todos sabem, ou deveriam saber.

A moral é conjunto de normas do que é certo ou errado, proibido e permitido nas atitudes humanas dentro de uma determinada sociedade, uma cultura, e possui caráter normativo, determinando a obediência a costumes e hábitos recebidos. O conjunto de qualidades e defeitos da pessoa determinam sua conduta e moral. Seus valores e firmeza morais definem a coerência de suas ações.

A ética, construída por uma sociedade com base nos valores históricos e culturais, é um conjunto de princípios morais que norteiam a conduta humana na sociedade. Embora não seja uma lei, a ética está relacionada com o sentimento de justiça social e, buscando fundamentar as ações morais exclusivamente pela razão, serve para que haja um equilíbrio entre pessoas, grupos e classes sociais.

O caráter, qualidade inerente a uma pessoa desde seu nascimento e reflete seu modo de ser. É o conjunto de características e traços particulares que caracterizam um indivíduo, e não sofre influência do meio. Uma pessoa “de caráter” é aquela com formação moral sólida e incontestável, enquanto a “sem caráter” é aquela desonesta, que não possui firmeza de princípios ou moral.

A honestidade é a qualidade de ser verdadeiro, não mentir, não fraudar ou enganar. É a honra, de uma pessoa ou instituição. O respeito e a obediência incondicional às regras morais existentes Honesto é o que repudia a malandragem, a esperteza, aquele que é transparente e exige transparência dos outros.

Depois da constatação dessa veracidade literária, espelho do meu entendimento, me pergunto o que levou nosso país à condição hoje existente, onde nenhum desses princípios é respeitado, principalmente pelos que deviam dar exemplos, e, convivendo nessas condições é que as novas gerações estão sendo educadas.

No chamado julgamento do mensalão, pudemos assistir a perplexidade de toda uma nação, ao assistir um dos ministros, o relator Joaquim Barbosa, simplesmente exercitar esses quatro princípios, simplesmente porque há anos não vê nada semelhante acontecer. No caso específico, o que seria normal passou a ser o anormal.

Com todas as provas existentes, mesmo as melhores e mais caras bancas de advogados do país não conseguiu absolvê-los e ainda assim alguns dos condenados se acham no direito de fazer reclamações a cortes internacionais, como se injustiçados fossem.

Segundo a Wikipédia, “vergonha é uma condição psicológica e uma forma de controle religioso, político, judicial e social, consistindo de ideias, estados emocionais, estados fisiológicos e um conjunto de comportamentos, induzidos pelo conhecimento ou consciência de desonra, desgraça ou condenação”.

Pois é o que menos possuem alguns membros do Poder Legislativo que, mesmo após a condenação de alguns de seus pares nesse caso, pretende impedir a cassação imediata de seus mandatos.

O terapeuta John Brad Shaw conceitua a vergonha como a "emoção que nos deixa saber que somos finitos".

Pela primeira vez em décadas assistimos alguns dos mais influentes políticos do país perceberem que são finitos, exatamente por não terem tido vergonha, moral, ética, caráter e honestidade.

João Bosco Leal é Jornalista e empresário.
www.joaoboscoleal.com.br

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Democracia - Para refletir!


Até 2020, MinC pretende ampliar para 160 mil as vagas em cursos técnicos nas áreas de Arte e Cultura.

Consolidando a parceria com o Ministério da Educação (MEC) na formação cultural dos jovens brasileiros, o Ministério da Cultura (MinC) está participando, pela primeira vez, do processo de seleção das instituições de ensino técnico profissionalizante que irão ofertar novas vagas em cursos nas áreas da Arte e da Cultura, no âmbito do Programa Nacional de Ensino Técnico e Profissionalizante (Pronatec).

São cursos de formação inicial e continuada em fotografia, edição de animação, iluminação cênica, desenho de produtos gráficos web, costura, figurino, contação de histórias, assistência de produção cultural, cerâmica, disc jóquei (DJ), modelismo, organização de eventos, operação de áudio e câmera, entre muitos outros.

As negociações de novas vagas para o primeiro bimestres de 2013 seguem abertas até o final do mês de janeiro. A Diretoria de Educação e Comunicação para a Cultura (SPC/MinC) já homologou 30% das vagas pretendidas nas áreas de Arte e Cultura para este ano. A intenção é ampliar está oferta para 160 mil vagas até 2020, de acordo com as metas estabelecidas no PNC.

A participação do MinC nas negociações das vagas do Pronatec faz parte das ações de integração de Educação e Cultura, em diálogo com um conjunto de metas do Plano Nacional de Cultura (PNC). Os dois ministérios firmaram convênio de Cooperação Técnica, em 2011.

O Processo de seleção está sendo coordenado pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (SETEC/MEC) junto a institutos federais e estaduais da rede pública de educação profissionalizante e demais instituições afins, como o SENAI, SENAC, SENAT e SENAR.

Os cursos do Pronatec se destinam a estudantes do ensino médio e da Educação para Jovens e Adultos (EJA), a trabalhadores rurais, desempregados, povos indígenas, quilombolas, jovens em cumprimento de medidas socioeducativas, pessoas com deficiência, beneficiários de programas sociais do Governo Federal e praças do Exército e da Aeronáutica em baixa do serviço militar.

(Fonte: Diretoria da Educação e Comunicação para a Cultura – SPC/MinC)
(Texto: Ascom/MinC)

Para refletir!


O pensamento é escravo da vida, e a vida é o bobo do tempo.

William Shakespeare

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Teatro Ogan apresentará espetáculo no Festival de Curitiba

"Passarinho me contou..." será apresentado no mais conceituado festival de teatro do Brasil e da América Latina.


O Teatro Ogan de Campo Novo do Parecis estará se apresentando no 22º Festival de Teatro de Curitiba (FTC 2013), consolidado como o maior e mais conceituado evento do segmento no Brasil e na América Latina. O espetáculo "Passarinho me contou..." de Van César, participará do Fringe, que é uma mostra livre realizada adjunta ao FTC.

“Passarinho me contou...” é um espetáculo de contação de histórias que enfatiza o surgimento dos contadores, a transformação e a tradição desses contos através do folclore popular. Em suas quatro histórias interpretadas pela Trupe de Contadores, os mesmos brincam com o imaginário popular, utilizando-se de diversos recursos, tais como: máscaras, fantoches, musicalidade, dentre outros.

O espetáculo "Passarinho me contou..." narra a viagem fantástica de um velhinho em busca de histórias pra contar. Quando ele compra o baú das histórias do Deus das Nuvens e o abre, todas elas se transformaram em pássaros encantados de todos os tipos, com todas as cores, que cantam de todas as formas e voam para todos os lugares. Então esses pássaros encantados encontram uma menina...


O espetáculo será apresentado na Praça Rui Barbosa no dia 31 de março (11h) e no dia 01 de abril (15h). O mesmo será apresentado no dia 02 de abril (11h) nas Ruínas de São Francisco.

Ficha técnica

Título: “Passarinho me contou...”
Gênero: Contação de Histórias
Texto e direção: Van César
Elenco: Edúh Gevizier, Silvinha e Van César
Tecnica: Betho
Produção: Sílvia Schneiders
Duração: 40 minutos

Prefeitura de Campo Novo do Parecis oferece matrículas para Oficinas de Arte

A prefeitura de Campo Novo do Parecis abre inscrições para diversas Oficinas de Arte, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo. As aulas são gratuitas e as matrículas terão início no dia 04 de fevereiro.


As oficinas visam incrementar culturalmente a vida das crianças, jovens e adultos. Nesta primeira etapa, estão sendo oferecidas oficinas de teatro, Balé, Dança do Ventre, Dança de Rua, Axé, Dança de Salão, Capoeira, Violão e Banda de Percussão.

As inscrições poderão ser feitas gratuitamente na sede do Centro Cultural, localizado na Rua Severino de Lima, 1206 – NE, no dia 04/02, das 7 às 13 horas. As aulas estão previstas para início em 18 de fevereiro de 2013.

Alessandra Costa Marques/Assessoria de Comunicação/Prefeitura de Campo Novo do Parecis

Poeta iguaçuense lança livro no Mato Grosso

Escritor nasceu em Foz e mudou-se para o norte do país. Retratos de Minha Face fala muito da saudade.


Reportagem: Jackson Lima

Eduardo Castelli nasceu em Foz do Iguaçu, estudou no Colégio Castelo Branco e desde cedo gostou das palavras, da poesia e até de ler dicionários. Há 10 anos a família se mudou para a região de Tangará da Serra, no Mato Grosso. Lá formou-se como Técnico em Mecanização Agrícola pela Universidade de Cuiabá. Passa o tempo trabalhando na usina da cooperativa que produz cana de açúcar na cidade vizinha de Campo Novo dos Parecis e escrevendo.

No final de 2012, lançou seu primeiro livro: “Retratos de minha face” – poesias contemporâneas. Na última quarta-feira, 2, Eduardo Castelli visitou a redação da Gazeta do Iguaçu. Ele deixou uma cópia autografada do livro e falou sobre o seu trabalho. “O meu trabalho como técnico na Usina pagou a publicação do livro”, explicou. Depois de fazer um acerto na usina, Castelli partiu para um viagem de divulgação. Em 2012 a poesia “Efeitos da Lanugem” venceu um concurso no Mato Grosso. A poesia foi incluída no livro. Logo após a conclusão do livro, o autor embarcou numa viagem que incluiu Porto Alegre, Curitiba, Camboriú, Itajaí, Rio do Sul e outras cidades.

“Em cada cidade fiz algumas vendas, como na Câmara de Vereadores de Curitiba e deixei exemplares em bibliotecas escolares, bibliotecas públicas e outras instituições. É bom para a divulgação”, comentou. Depois da longa viagem, a meta agora é voltar para casa e preparar um segundo livro. “Tenho plano de publicar um outro livro que eu possa trazê-lo para a Feira do Livro aqui em Foz. É muito importante participar de um Salão na minha terra natal”, disse.

Olhando para trás, Eduardo diz que se lembra dos professores, dos amigos e dos colegas com quem estudou em Foz. Segundo ele, foi a dedicação de professores e os deveres de casa e desafios lançados na área do português que despertou nele o desejo de trabalhar com as palavras. “A palavra lanugem – do poema que venceu o concurso. É muito bonita e se refere a uma segunda pele, pensei no efeito que a musa do poeta causa a ele”. Para ele, o uso da palavra lanugem é um bom exemplo da necessidade de resgatar palavras esquecidas ou vulgarizadas. Em um mundo feito pequeno pelas redes sociais, o autor pode ser encontrado no facebook.com/Eduardo.castelli.50.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

Reunião com blocos acontece segunda


A Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (SECULTUR) convida os dirigentes de Blocos Carnavalescos para uma reunião no Centro Cultural, no próximo dia 21 de janeiro (segunda-feira), às 9h, para tratar de assuntos referentes ao XI Parê Folia - o "Carnaval da Jararaca na Terra dos Parecis".

O Centro Cultural está situado à Rua Severino Euflasino de Lima, 1206 NE - Bairro Jardim Nossa Senhora Aparecida.

domingo, 13 de janeiro de 2013

Para refletir!


A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso.

Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade.

Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?

Charles Chaplin

sábado, 12 de janeiro de 2013

Jardim Botânico será sede dos jogos dos Povos Indígenas em Cuiabá

Adriane Rangel

O Espaço no Jardim Botânico, localizada na região da comunidade do Sucuri, em Cuiabá, ficou definido como Sede da realização dos Jogos dos Povos Indígenas, que acontece no mês de agosto em 2013 na capital cuiabana. A proposta foi discutida nesta sexta-feira (11.01) em reunião entre membros das Secretarias do Governo do Estado e integrantes do Comitê Intertribal Indígena.

Os membros do Comitê Intertribal – Memória e Ciência Indígena, que organiza a celebração, relataram todas as diretrizes que envolvem o caderno de encargos e os procedimentos detalhados das ações que envolvem os preparativos que antecedem o evento e ainda discutiu sobre as competências de cada equipe que vão fazer compor a comissão de trabalho.

Para o coordenador de Cultura e Esporte Tradicional Indígena, Carlos Terena, a estrutura escolhida é muito adequada e define como a parte primordial da realização de um grande evento no Estado. “Mato Grosso é um celeiro de diversidades culturais indígenas que tem que ser aproveitado, aqui é propicio para os Jogos, pois pouca gente conhece essa diversidade e esse evento vai mostrar a essência da cultura indígena', ressaltou Terena, lembrando que o objetivo é a integração das diferentes tribos, assim como o resgate e a celebração dessas culturas tradicionais”, completou.

Terena explicou que a ideia é realizar a competição envolvendo cerca de 40 etnias indígenas presentes em todo o Brasil, com jogos que fazem parte do cotidiano das aldeias. Com a iniciativa, o desenvolvimento e a preservação das atividades esportivas praticadas pelos povos indígenas na região seriam favorecidos. “Essa tradição não tem sentido de coisa passada e sim na busca da memória, que é transmitida e atualizada de geração a geração, respeitando-se assim esses valores, adquirindo o dom da partilha em comemorar uns com os outros, vivendo a gratuidade do festejar”, finalizou.

Os Jogos dos Povos Indígenas serão organizados pelo Comitê Intertribal Indígena e Ministério dos Esportes com apoio do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Esportes e Lazer (Seel) em parceria com demais Secretarias do Estado, Prefeitura Municipal de Cuiabá e Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT).

Fonte: Esportes\Seel-MT


Para refletir!


Quem já passou por essa vida e não viveu, pode ser mais, mas sabe menos do que eu...

Vinicius de Moraes

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Poeta iguaçuense lança livro no Mato Grosso


Eduardo Castelli nasceu em Foz do Iguaçu, estudou no Colégio Castelo Branco e desde cedo gostou das palavras, da poesia e até de ler dicionários. Há 10 anos a família se mudou para a região de Tangará da Serra, no Mato Grosso. Lá formou-se como Técnico em Mecanização Agrícola pela Universidade de Cuiabá. Passa o tempo trabalhando na usina da cooperativa que produz cana de açúcar na cidade vizinha de Campo Novo dos Parecis e escrevendo.

No final de 2012, lançou seu primeiro livro: “Retratos de minha face” – poesias contemporâneas. Na última quarta-feira, 2, Eduardo Castelli visitou a redação da Gazeta do Iguaçu. Ele deixou uma cópia autografada do livro e falou sobre o seu trabalho. “O meu trabalho como técnico na Usina pagou a publicação do livro”, explicou. Depois de fazer um acerto na usina, Castelli partiu para um viagem de divulgação. Em 2012 a poesia “Efeitos da Lanugem” venceu um concurso no Mato Grosso. A poesia foi incluída no livro. Logo após a conclusão do livro, o autor embarcou numa viagem que incluiu Porto Alegre, Curitiba, Camboriú, Itajaí, Rio do Sul e outras cidades.
“Em cada cidade fiz algumas vendas, como na Câmara de Vereadores de Curitiba e deixei exemplares em bibliotecas escolares, bibliotecas públicas e outras instituições. É bom para a divulgação”, comentou. Depois da longa viagem, a meta agora é voltar para casa e preparar um segundo livro. “Tenho plano de publicar um outro livro que eu possa trazê-lo para a Feira do Livro aqui em Foz. É muito importante participar de um Salão na minha terra natal”, disse.
Olhando para trás, Eduardo diz que se lembra dos professores, dos amigos e dos colegas com quem estudou em Foz. Segundo ele, foi a dedicação de professores e os deveres de casa e desafios lançados na área do português que despertou nele o desejo de trabalhar com as palavras. “A palavra lanugem – do poema que venceu o concurso. É muito bonita e se refere a uma segunda pele, pensei no efeito que a musa do poeta causa a ele”. Para ele, o uso da palavra lanugem é um bom exemplo da necessidade de resgatar palavras esquecidas ou vulgarizadas. Em um mundo feito pequeno pelas redes sociais, o autor pode ser encontrado no facebook.com/Eduardo.castelli.50.

Fonte: http://www.gazeta.inf.br/caderno2/


Para refletir!


A vida não é medida pelo número de vezes que você respirou, mas pelos momentos em que você perdeu o fôlego.

Bob Marley

As Possibilidades da Arte - Monofoliar: Madalena


Festival MPB de Música do Mato


quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Para refletir!


Ninguém pode construir em teu lugar as pontes que precisarás passar, para atravessar o rio da vida.
- ninguém, exceto tu, só tu.
Existem, por certo, atalhos sem números, e pontes, e semideuses que se oferecerão para levar-te além do rio; mas isso te custaria a tua própria pessoa; tu te hipotecarias e te perderias.
Existe no mundo um único caminho por onde só tu podes passar.
Onde leva?
Não perguntes, segue-o!

Friedrich Nietzsche

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Para refletir!


Se temos de esperar,
que seja para colher a semente boa
que lançamos hoje no solo da vida.
Se for para semear,
então que seja para produzir
milhões de sorrisos,
de solidariedade e amizade.

Cora Coralina

terça-feira, 8 de janeiro de 2013

Para refletir!


O sonho encheu a noite
Extravasou pro meu dia
Encheu minha vida
E é dele que eu vou viver
Porque sonho não morre.

Adélia Prado

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Para refletir!


Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, pois cada pessoa é única e nenhuma substitui a outra. Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, mas quando parte, nunca vai só nem nos deixa a sós. Leva um pouco de nós, deixa um pouco de si mesmo. Há os que levam muito, mas há os que não levam nada.

Khalil Gibran

domingo, 6 de janeiro de 2013

Ogan divulga novo espetáculo

Sabem...

Um "Passarinho me contou" que a Trupe do Teatro Ogan vem com novidades para 2013, um espetáculo de autoria e direção de Van César que aborda o lúdico, a contação de histórias, a poesia e muito mais. "Passarinho me contou..." é um espetáculo que promete mexer com o imaginário das pessoas...


Grupo de Teatro Ogan - Eduh Gevizier, Van César e Silvinha

O espetáculo foi apresentado pela primeira vez (como numa prévia) na cidade de Sapezal, fazendo parte do programa "Operação Vida Ativa" promovida pela Fundação André Maggi para os colaboradores e familiares da Amaggi Sapezal, Amaggi Campos de Julio e Divisão Energia.


Van César como contador de histórias

"Passarinho me contou..." narra como Ananse compra o Baú de Histórias e assim provoca o surgimento dos contadores no mundo. Narra ainda como as histórias, saídas do baú, se transformam em pássaros encantados que percorrem cidades e regiões, fazendo seus ninhos na cabeça e no coração dos contadores de histórias.

O espetáculo foi apresentado ainda na Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, no FEsTeatro 2012 e a Trupe participou ainda do Salão do Livro, em Tangará da Serra.

Por Fábio Lima - Cia de Arte Flor de Menina

Para refletir!


A morte não é a maior perda da vida. A maior perda da vida é o que morre dentro de nos enquanto vivemos.

Pablo Picasso

sábado, 5 de janeiro de 2013

A Cultura e o buraco da nossa Rua


A desestruturação vertical dos organismos gestores da cultura vem sendo arquitetada a algum tempo. No inicio do mandato da presidenta Dilma, comentou-se muito da extinção do Ministério da Cultura ou fusão com outros ministérios.

O governo do estado de Mato Grosso, a todo o momento, desde os tempos de Blairo Maggi, comenta sobre a possível extinção da Secretaria de Estado de Cultura ou fusão com outra.

Aqui em Rondonópolis a cultura contava apenas com um acanhado Departamento ligado a Secretaria de Educação, sendo que o próprio prefeito Percival Muniz criou, no seu primeiro mandato, a Secretaria de Esporte, Cultura e Lazer.

Portanto se não continuarmos no mínimo como está, é um retrocesso. Essa tendência ao retrocesso só não vem tendo sucesso devido a incessante luta e cobrança dos agentes culturais brasileiros. Não fosse isso nem um mero Departamento de Cultura teríamos no Ministério da Educação. Pois antes da criação do MinC, era assim que era.

Não é só uma questão de se tem ou não recursos. É simbólico. É respeito a todo o nosso legado. Não é só questão burocrática de criação de uma Secretária. É seguir avançando. É preservar conquistas e abrir portas para outras.

Acredito que temos sempre que avançar, jamais retroceder.
Como abrir mão dos pontos de cultura?
Como abrir mão de uma Agencia Nacional do Cinema?
Como abrir mão de uma Fundação Cultural Palmares?
Como abrir mão de um Instituto Brasileiro de Museus?
Como abrir mão dos incentivos públicos a cultura?
Como abrir mão dos Conselhos de Cultura?
Como abrir mão de um Festival do Cururu e Siriri?
Como abrir mão de um Museu Rosa Bororo?
Como abrir mão do Centro Cultural Jose Sobrinho?
Como abrir mão do Casario Marechal Rondon?

Tudo isso vem sendo garantido com a ampliação das estruturas de gestão. A criação da Secretaria Municipal de Cultura é garantia de continuarmos avançando. A questão é escolhermos o que queremos.

Ou avançamos em direção a uma sociedade mais consciente. Mais culta. Proprietária do seu destino.
Ou lutarmos para sempre para que o prefeito tampe o buraco da nossa rua.

Por José Roberto de Souza
Artista de Rondonópolis.