quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

'Louco do Caiaque': Pedro Oliva quer rota de esportes radicais entre Cuiabá e Campo Novo do Parecis

Em 2009 ele pulou de caiaque os 39 metros do Salto Belo

Ele sugere a criação de uma rota regional de esportes radicais e turismo de aventura que integre Cuiabá, Nova Olímpia, Tangará da Serra, Campo Novo do Parecis e Sapezal.

Ele é famoso no mundo inteiro por desafiar cachoeiras de 20, 30, 40 metros de queda. Paulista de São José dos Campos, Pedro Oliva é conhecido como ‘louco do caiaque’– ganhou a mídia nacional e mundial pela primeira vez em 2009 depois de enfrentar os 39 metros do Salto Belo, em Campo Novo do Parecis, o que lhe rendeu um recorde mundial no esporte denominado de ´Kayak Extreme´.

Sempre que pode, Pedro Oliva volta à região em busca de novas aventuras, que são exibidas semanalmente nos canais Multi Show e Off e nos programas Planeta Extremo e Esporte Espetacular, da TV Globo – onde já mostrou o Salto das Nuvens há alguns anos.

Ele esteve em Tangará da Serra nos últimos dias e, além de desafiar as corredeiras do Rio Juba, lançou desafio à autoridades públicas e empresários do ramo turístico: criar uma rota regional de esportes radicais e turismo que integre Cuiabá, Nova Olímpia, Tangará da Serra, Campo Novo do Parecis e Sapezal.

As potencialidades são muitas, segundo ele, desde os mais radicais como, rafting, rapel e caiaque extremo aos mais ´lights´, como, canoagem e mergulho; que podem ser praticados, principalmente em Tangará e Campo Novo, onde existem pelo menos quatro rios e dezenas de cachoeiras com queda entre 8 e 95 metros.

Ontem, Pedro Oliva sentou com o prefeito Saturnino Masson (PSDB) na Prefeitura Municipal, e apresentou a sua proposta que visa ´atiçar´ as discussões acerca do tema. Ele quer que seja criado um grupo regional, formado não apenas pela iniciativa pública, mas também por empresários, para explorar estes potenciais, oferecer suporte aos pretensos turistas e divulgar fora do estado e do país.

Na região existem várias empresas que exploram este tipo de negócio, como é o caso da Biguá Aventuras, de Tangará da Serra e a Vento Grande de Campo Novo – ambas participaram das aventuras pela região neste final de semana, que envolveu também desafios no Salto Utiariti, uma das maiores cachoeiras do país, localizada na divisa de Sapezal e Campo Novo.

De acordo com o secretário municipal de Esportes, Palmínio Garrido, a ideia de Pedro Oliva é interessante e servirá para gerar discussões sobre o assunto. Garrido, que também desafiou as águas do Juba no domingo, fazendo rafting, acredita que os potenciais de Tangará e da região são um ´prato cheio´ para turistas de todos os lugares do Brasil e do mundo.

“Esta será a segunda vez que o Pedro Oliva vai mostrar nossos potenciais turísticos para o Brasil, da outra vez ele mostrou o Salto das Nuvens”, informou o secretário.
 
Alexandre Rolim/Redação Diário da Serra

Para refletir!



"A maior virtude de um cego, é que ele não vive de aparências, ele se apaixona pela essência, porque a enxerga."
(Eduh Gevizier)

terça-feira, 28 de fevereiro de 2012

Tangará da Serra receberá curso de teatro para artistas de toda a região

Atores e diretores de teatro de Campo Novo do Parecis também podem participar.
Na imagem: Espetáculo Parangolé do Grupo Revelação
Foto: Silvia Schneiders

O Governo do Estado de Mato Grosso, em parceria com a Prefeitura de Tangará da Serra, através do Departamento Municipal de Cultura e o Ponto de Cultura ´Arte que Transforma´ promoverão o primeiro ´Curso Livre Itinerante de Teatro´.

O curso será ministrado em Tangará da Serra para profissionais de toda a região através do ensino prático e teórico. “A classe teatral de Mato Grosso tem uma dificuldade muito grande em reciclar seus conhecimentos ou até adquirir técnicas novas de trabalho devido à distância dos grandes centros e essa dificuldade é ainda maior quando se trata de cidades do interior do Estado. Por isso, para resolver essa demanda, o curso prevê a aproximação maior entre os profissionais que tem formação técnica na área e os grupos de teatro criados no interior do Estado”, explica a coordenadora do Departamento de Cultura, Joeli Siqueira.

Segundo a coordenadora, o curso será em caráter modular e dará preferência a áreas pouco estudadas do segmento teatral, mas que compõem a base para a criação de um espetáculo. “Teremos módulos de Direção, Dramaturgia, Cenografia, Encenação e Iluminação. Por conta das agendas dos ministrantes, os módulos serão aplicados uma vez por mês, sendo na sexta das 18h às 22h, sábado das 8h às 12h e das 14h às 18h e domingo das 8h às 12h e das 14h às 18h”.

Os ministrantes são profissionais com estudo e inseridos no mercado artístico, com plena capacidade para ministrar seus módulos. São eles: Dramaturgia - Maira Jeannyse (formada na UNIRIO em Artes Cênicas, pesquisadora e dramaturga com diversos cursos na área); Direção - Tatiana Horevicht (formada em Direção Teatral pela UFOP/MG; pesquisadora teatral em antropologia teatral); Encenação - Jan Moura (pesquisador teatral em Teatro Colaborativo, mestrando em Culturas Contemporâneas na UFMT); Cenografia - Rosana Schmitt (formada em artes plásticas SP, técnica em desenho industrial, cenógrafa há mais de 20 anos); e iluminação - Lourivaldo Rodrigues (dispensa currículo: mais de 25 anos no mercado de lightdesign e iluminação cênica).

“Desde já convidamos todos os atores da região para participarem deste curso que será realizado em três polos do Estado e para Tangará da Serra serão disponibilizadas apenas 30 vagas”, adiantou Siqueira, destacando que as inscrições estarão abertas no Departamento de Cultura a partir do dia 1º de março, seguindo até o dia 12. “Serão cinco módulos com custo mensal por pessoa de R$ 30, para custeio de alimentação. O material, assim como o certificado, serão oferecidos pelo Governo do Estado”.

A previsão de início do primeiro módulo do curso é para 16 de março, com término no dia 18 do mesmo mês.

Fabíola Tormes/Redação Diário da Serra

Abaixo-assinado - Campanha de apoio à candidatura da Roda de Capoeira à lista representativa do Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade


Para Capoeiristas:

O nosso mundo da Capoeira vai firmar ainda mais a nossa Capoeira no mundo

A Unesco, organização internacional de educação e a cultura, vai se reunir em 2013 para avaliar a inclusão da Roda de Capoeira na lista representativa do Patrimônio Imaterial da Humanidade. O Brasil já tem 2 manifestações culturais (bens imateriais) declaradas nessa lista, o samba de roda do Recôncavo Baiano e a arte gráfica dos índios Wajãpi. Em 2013 pode ser a vez da Roda de Capoeira. È mais um passo na consolidação da Capoeira como expressão original do povo brasileiro que se oferece aos povos do mundo como prática, atitude de vida, pensamento, técnica, esporte, prazer, arte e cultura.

Não é só mais um título bonito para colocar na parede nem é mais um simples reconhecimento para compor discursos de exaltação. Vai além. É um pacto entre o Brasil (governo e sociedade) e o mundo para aumentar as bases de expansão das nossas raízes. Um passaporte a mais para abrir fronteiras e dar o tom brasileiro, detentor absoluto das raízes dessa prática, no cenário internacional.

O título é um ato de fortalecimento que não interfere na autoria da Capoeira nem na autoridade dos Mestres. A Capoeira continua fiel a sabedoria dos que a criaram sem perder direitos nem sofrer intervenção em seu conceito ou prática. O que se abre é a possibilidade de criação de mais estrutura e força política. Obriga governos e instituições a um zelo mais profundo no incentivo e manutenção das políticas públicas com investimentos continuados e programas definidos a partir do diálogo.

O mundo da Capoeira sabe o valor histórico da luta e o quanto se avançou até aqui. Sabe o tamanho do desafio para prosseguir e o tanto que se exige para uma paixão sair da semente até virar tronco forte na vida. O título da Unesco será mais uma conquista nesse caminho. A Capoeira precisa do comprometimento de muitas parcerias e pontes para ter a chance de se mostrar autêntica e única.

Sem perder o tom da raiz brasileira e da sua nem entregar suas raízes para oportunistas. Ninguém “vira patrimônio da humanidade”, do nada. É um processo longo em que o mundo reconhece a realidade que já existe e vai ajudar na estratégia de continuidade mais forte dessa prática, saber, paisagem, pensamento ou celebração.

A Unesco é mais uma aliada nessa luta. Esta organização internacional foi criada para oferecer condições de diálogo entre culturas, nações e povos com respeito aos direitos humanos, às diferenças culturais comprometidas em trabalhos pela paz e diminuição das desigualdades econômicas entre as nações. Por isso a Unesco desenvolve políticas e projetos em vários países, através de acordos de cooperação técnica e convênios com governos e sociedade na salvaguarda do patrimônio cultural e natural de todo o mundo. São positivos os resultados desses processos para os grupos que constituem a base social das expressões culturais reconhecidas.

Crescem além da visibilidade, criam maior respeitabilidade no trato com o Estado, ampliam possibilidades de fomento a projetos e ações para disponibilizar e adequar espaços físicos para centros de referência, aquisição de acervos, equipamentos e matérias primas, oficinas de transmissão de saberes, treinamentos em pesquisa e gestão de políticas de salvaguarda, ações educativas e edições diversas, até encontros, seminários e outras ações.

A capoeira já tem régua e compasso para traçar seu caminho no mundo. Já tem seu reconhecimento consagrado em inúmeros países e cresce na dedicação daqueles praticantes sempre fiéis a sabedoria dos seus Mestres. Mas há sempre o que se firmar mais. Esta construção coletiva se faz mais complexa atualmente. A exigência de organização da base social precisa contar mais e mais com ferramentas, estratégias e políticas para estabelecer os termos da difusão da prática sem perda da essência que é a própria seiva que legitima tudo.

O nosso mundo da Capoeira não perde seu chão quando fica mais forte o jogo da Capoeira no mundo. O título fortalece o argumento dos que desejam avançar a Capoeira no mundo, pois o mundo se abre melhor para receber, entender, pesquisar, jogar e trocar com mais esta riqueza da diversidade cultural brasileira. Não se perdem direitos de uso nem se concede práticas sem direitos: é um título que legitima quem faz, dentro e fora do país, e funciona para melhor abrir as fronteiras.

Um mundo que reconhece o valor da nossa casa é um mundo que nos convida a entrar pela porta da frente. A lista a ser enviada a Unesco é de responsabilidade do Iphan e tem como base um dossiê de candidatura redigido a partir de pesquisas já realizadas no registro da Roda de Capoeira e do Ofício de Mestre de Capoeira como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil. O Grupo de Trabalho Pró-Capoeira coloca na roda o encaminhamento deste dossiê à Unesco. Todas as demandas e propostas levantadas nos Encontros Pró-Capoeira foram consideradas na elaboração do dossiê.

Após a finalização da candidatura uma comissão intergovernamental decidirá sobre a pertinência da inscrição. É com essa intenção que o Iphan encaminha aos capoeiras do Brasil esta Lista de Adesão sobre as candidaturas da Roda de Capoeira à Lista Representativa da Convenção da Unesco para a Salvaguarda do Patrimônio Cultural Imaterial. Sua assinatura de adesão é recebida como incentivo para que esta luta não perca força e mantenha a ginga por tantos anos, fortalecida na superação de adversidades. Dessa luz se alimenta a luta da Capoeira aberta para os povos que desejam e precisam se abrir mais e mais para o nosso mundo da Capoeira. Assine e divulgue. Somos gratos.

Os signatários

Para assinar a petição acesse o link: http://www.peticaopublica.com.br/?pi=IPHAN

Democracia: Para refletir! - Caiu a máscara da Igreja Universal




"Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis."

Mateus 7:15-20

Para refletir!



"As pessoas só fazem de você, aquilo que você permite."
Anônimo

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Cia Spirits promove Projeto Pequeno Artista - Teatro como Instrumento de Educação e Inclusão Social


O projeto pequeno artista destina-se á 100 adolescentes de 12 a 16 anos do município de Juína no espaço "Pequeno Artista" que foi locado e equipado para o atendimento destes indivíduos que desenvolverão o pensamento artístico e a percepção estética,caracterizando um modo próprio de ordenar e dar sentido à experiência humana através do teatro.

Objetivos do projeto

Efetivar a implantação de um espaço fixo para as atividades de iniciação à arte teatral através de oficinas teatrais, processos de produções e mostra de experimentos cênicos à comunidade local atendendo crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e tempo ocioso do município de Juína.

Turmas, freqüência, dias e horários das atividades

As turmas são formadas por 10 alunos que participam das atividades duas vezes por semana, sendo uma para as oficinas teatrais e a outra para leitura individual e coletiva e acesso à internet.

As atividades acontecem de Segunda a Sexta feira nos períodos matutino das 7h30 às 10h30 e vespertino das 13h30 às 16h30.

Atividades desenvolvidas no projeto

Oficinas - história do teatro, jogos dramáticos, expressão corporal e vocal, estudo de obras dramáticas, construção e interpretação de personagem, improviso, caracterização, iluminação e musicalidade cênica e ainda concepção e criação de cenários, figurinos e adereços;

Leitura e inclusão digital - leitura individual e em grupo de livros de teatro e de literatura para infância e juventude e acesso à internet para pesquisa a cerca dos assuntos relacionados com as atividades do projeto e mídias digitais.

Produção - Produção de experimentos cênicos voltados para a literatura infanto-juvenil, oferecendo aos alunos a experiência de um processo de montagem teatral completo desde a escolha do tema a finalização da montagem com uma produção por turma totalizando 10 experimentos;

Mostra Teatral - Apresentação dos experimentos á comunidade juinense a fim de proporcionar aos alunos a experiência da relação entre a arte e o expectador e vice-versa.

Cronograma do Projeto

Oficinas Teatrais - Março a Agosto de 2012.
Produção Teatral - Agosto a Dezembro de 2012.
Mostra Teatral - Dezembro de 2012.

Apoiadores do projeto

A iniciativa é apoiada pelo Programa Criança Esperança da Rede Golobo de Televisão em parceira com a UNESCO- União das Nações Unidas para a Ciência, a Educação e a Cultura, contando ainda com a parceira da Prefeitura de Juína através da Secretaria Municipal de Educação e Cultura, Secretaria Municipal de Assistência Social e Conselhos Municipal de Cultura, Educação, Assistência Social, e da Criança e do Adolescente.

Qual a forma correta: "Obrigado Eu" ou "Eu Que Agradeço"?

Você já notou que o “acerto” quase nunca é propalado com a mesma velocidade que o “erro”? Por que digo isso? Simples! Há poucos meses, sabe-se lá de quem foi a autoria, a frase “OBRIGADO EU” disparou na preferência popular, desbancando até mesmos os já clássicos “Nóis vai” e a “Gente fomos”.


Errar é humano, todavia, cometer o mesmo erro é perigoso, até porque, atrás de cada palavra há um indivíduo detentor de competências, ainda que às vezes, devido à qualidade do ensino público, essas mesmas competências estejam alicerçadas por frágeis conhecimentos. Assim, para os mais escolarizados, erros dessa natureza causam graça, piadinha de mau gosto, expondo os mais desprotegidos culturalmente ao constrangimento, ainda que velado, o que é pior.

Toda forma de discriminação lingüística é abominável, ainda, não se pode julgar a índole de um cidadão só porque ele cometeu uma gafe; mas não é o que acontece. Já tive notícias de que certas empresas de seleção testam justamente o candidato na hora do agradecimento, assim, ao pronunciar o tal “Obrigado EU”, toda sua prova pode ser desconsiderada e o emprego repassado ao candidato seguinte. Isso é crime? Se considerarmos a discriminação vernacular, sim; mas a dificuldade está em se provar essa discriminação, até porque, ela acontece, como já disse, na surdina, dentro de uma sala, trancada a sete chaves.

E aos críticos mais serenos, uma informação extra-oficial: o suposto erro também é cometido por profissionais de carreira, cujo salário os coloca no topo da pirâmide social, diferentemente do que afirma uma pequena parcela de gramáticos adeptos à filosofia do quanto mais pobre, pior.

Quer uma prova? Então vamos lá! Dias desses, em um grande banco estrangeiro de origem espanhola, a gerente, com o sorriso clareado à mostra, apertou minha mão e disse, pasmem, repetidamente: “Obrigado EU!”. Naquele momento, desculpem-me a franqueza, levantei, dei dois passos em direção à escadaria, retornando em seguida. Vendo-me de novo, a gerente perguntou: “Esqueceu algo, senhor Carlos?” Ainda que intimidado, aleguei que sim! Então, revirando os papéis de sua mesa antes mesmo que eu anunciasse o tal “objeto” motivador de meu retorno, perguntou-me: “O que seria? Por acaso o celular, o Rg, o CPF...?”

Com o sorriso tímido estampado à face, pedi para que ela se sentasse, foi quando, após inspirar profundamente, revelei o motivo de meu retorno: “Querida... desculpe-me a sinceridade, mas eu não esqueci nenhum objeto em sua mesa; pelo contrário, esqueci apenas de informá-la de que a expressão “OBRIGADO EU!” é incorreta, porque sendo o EU um pronome pessoal do caso reto, ele não deve aparecer em final de frases, mas apenas no início, em que desempenha o papel para o qual foi criado: praticar uma ação e não recebê-la, como aconteceu no modelo em epígrafe. O mais provável, ainda que estranho à sintaxe portuguesa, seria se utilizar da expressão “Obrigado MIM”, porque este pronome é quem recebe uma ação desencadeada pelo sujeito. Veja um exemplo clássico: “Este lápis é para mim?”

Visivelmente desnorteada, a moça pegou um lenço de papel e passou-o no rosto, limpando o suor, que lhe caía em abundância.. Ao invés dela pedir que eu procurasse minha “turma” – por que saber se é o Eu quem pratica uma ação e não O Mim?, solicitou que eu continuasse.

A expressão considerada mais adequada à situação seria: “EU QUE AGRADEÇO!”, ou simplesmente, remetendo-se às normas gramaticais alcaides, o popular “DE NADA!”

Levantei-me e, antes que ela pudesse dizer algo, fui-me embora; apesar de instruir uma pessoa - papel que me é delegado pelo meu cargo, senti-me constrangido, afinal, o que ela poderia ter pensado de mim? Talvez um excêntrico ou mesmo um tremendo idiota. Já em casa, algumas horas depois, abri o e-mail e, para minha surpresa, havia a seguinte notinha:

“Prezado senhor Carlos Mota, se o senhor não tivesse a coragem de me corrigir, quantos outros “Obrigados EU” eu poderia ter dito, por plena inocência? De certa forma, esse erro poderia pôr em risco o meu próprio cargo no banco, afinal, relaciono-me com clientes de toda natureza e falar errado torna-se um “motim”, em caso de uma suposta concorrência profissional interna. Como retribuição ao seu gesto, faço questão de dizer tantas vezes quanto forem necessárias: “EU QUE AGRADEÇO A SUA SINCERIDADE!”

Bem, amigos, como perceberam, é vivendo que se aprende.

Carlos Rogério Lima da Mota

Para refletir!


"Felicidade é ter algo o que fazer,  ter algo que amar e algo que esperar..."
Aristóteles

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Ponto de Cultura Ninho do Sol busca nova sede

Na última sexta-feira e sábado (24 e 25.02), o Ninho do Sol retirou seus materiais e equipamentos do Centro Cultural, local que estava sendo cedido para desenvolver suas atividades.


O que motivou a mudança do ponto de cultura foi a criação da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secultur), sediada no Centro Cultural, e o fato de a mesma necessitar de todas as salas para desenvolver suas atividades.

"A Secultur foi uma conquista, e como a equipe de profissionais aumentou, pincipalmente com a vinda do Departamento de Turismo e com a criação da Divisão da Banda Municipal do Parecis (desativada desde 2005), o Centro Cultural necessita de mais espaço para absorver esses profissionais e suas atividades", frisou Sílvia Schneiders, diretora de Cultura.


O ponto de cultura busca agora apoio para a manutenção de sua sede própria, visado garantir a realização de suas atividades. "Temos uma garantia do Governo Mauro, através de subvenção social, mas depende da Câmara Municipal alterar a Lei que garante às entidades sem fins lucrativos de receberem esse benefício público, inserindo o Teatro Ogan nesse processo, já que o mesmo é o mantenedor do Ponto de Cultura Ninho do Sol", esclarece Van César, coordenador administrativo do ponto.

Outras possibilidades são através de empresas que podem apoiar através do Fundo Municipal da Criança e do Adolescente e do Fundo Municipal de Incentivo à Cultura, pois o município possui esses dois fundos que direcionam recursos para entidades sem fins lucrativos desenvolverem suas ações.

Enfim, assim que o Ponto de Cultura resolver essa situação e organizar sua sede, terão início as atividades deste ano de 2012, desenvolvidas através do Núcleo de Oficinas e da Biblioteca Comunitária Mãe Branca.

Se você é empresário e deseja apoiar as ações do Ninho do Sol, acesse o portfólio do Teatro Ogan, conheça as atividades desenvolvidas e saiba como colaborar: http://teatrogan.blogspot.com/p/portfolio.html

Ecodesign: atitudes práticas que podem ser tomadas


Algumas atitudes práticas que podem ser tomadas:

  • Busque os “fabricados no Brasil”. Artefatos de produção nacional valorizam a economia local e geram menos poluição no transporte.
  • Evite utilizar produtos descartáveis, como copos e talheres de plástico. Você usa por 5 minutos, e eles demoram centenas de anos para se decompor.
  • Valorize as ações honestas que buscam a preservação ambiental e a geração de renda para comunidades. Apesar de algumas vezes ser mais caro pagar por produtos ecológicos, há um motivo para isso. Geralmente são produzidos em menor quantidade, com melhor qualidade e utilizando materiais de baixo impacto, o que aumenta o preço.
  • Da mesma forma, prefira pagar mais por produtos duráveis e atemporais do que pouco por algo que vai estragar logo ou sair de moda rapidamente. Isso vale para roupas, sapatos, brinquedos, móveis… Pense e avalie bem o que vai levar para casa. 
  • Opte por produtos feitos com matéria-prima renovável, reciclada ou reutilizada, ou com selos de certificação reconhecidos.
Não são nossas pequenas atitudes que irão trazer grandes resultados – mas é um começo. É preciso um esforço conjunto, para que muitas pessoas se conscientizem que as escolhas, de forma coletiva, podem repercutir em grandes mudanças. Mas de qualquer forma, não existe o produto perfeito: qualquer produção irá gerar danos ambientais, maiores ou menores.

Divulgue, informe-se, aprenda e ensine! É através da colaboração que as boas ideias são difundidas.

Para refletir!



"Pode não dar certo, mas você só vai saber se arriscar."

Anônimo

sábado, 25 de fevereiro de 2012

Ecodesign: descobrindo empresas e produtos verde

Como consumidores, sabemos que um produto passa por diversas etapas até chegar a nossa cesta de compras. Porém, só temos acesso às partes “limpas” do processo. Vemos o produto na prateleira, escolhemos, compramos, usamos e colocamos na lixeira. Tudo o que vem antes (extração das matérias-primas, beneficiamento, transporte, produção) e o que vem depois (recolhimento do lixo, resíduos, aterros ou reciclagem) não está claramente visível.


Por isso, em primeiro lugar, devemos nos manter informados. Quando uma organização honesta divulga algum produto ou empresa, provavelmente suas ações são realmente envolvidas com o meio ambiente, e é possível comprovar isto. Desconfie das “inovações” e soluções mágicas, que não esclarecem exatamente em que ponto aquele produto ou serviço é ecológica. Onde estão as evidências do que é verdade ou não?

Como já aconteceu comigo, ao entrar em uma loja e ouvir a vendedora dizer: moça, essa bolsa é ecológica, é um lançamento! Digo um: ah, interessante… e porque ela é ecológica? Ela me olha, sem graça, e responde: é ecológica, não prejudica o ambiente! E a conversa encerra por aí (e é óbvio que eu não comprei a tal bolsa).

É muito fácil rotular algo e ressaltar suas boas características – mesmo que elas não existam. E é comum também existir um “selo verde” inventado ou uma palavra vaga, sem detalhes e explicações, como “amigo do meio ambiente”. Em outros casos se ressalta um atributo ecológico mínimo, quando todo o resto é sujo.

Há também outro caso que gosto de citar: uma grande rede de supermercados iniciou uma campanha de marketing, mostrando o quanto eram ambientalmente responsáveis e preocupados com a natureza. Ao entrar em uma das suas lojas, precisei embalar minha bolsa em um enorme saco plástico, que foi rasgado e descartado no momento em que deixei o local. Como assim???

Por isso: pesquise, converse com pessoas de confiança, e peça explicações. Afinal, nosso papel como consumidores conscientes é procurar sempre a melhor opção – mostrando para as empresas que o ecodesign não é apenas uma moda. Lidando com os problemas de forma coletiva e interligada, a chance de sucesso é maior. Afinal, todos nós temos uma parcela de culpa no processo de destruição do planeta.

Para refletir!


"Há mulheres que fogem da tentação na esperança de que ela as alcance."

Anônimo

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Será o Governo o assassino da cultura?


Mato Grosso vive, há muitos anos, acostumado com um Estado meio pai, meio padrasto no campo cultural. Meio pai porque o Estado sempre decide tudo: quais as prioridades, quais as políticas, onde e quanto investir. Meio padrasto também, na medida em que somente alguns poucos desfrutavam dos benefícios do investimento público, enquanto a maioria da população amarga a indiferença e o preconceito.

Porém, a revolução cultural do século XXI virá da rebeldia silenciosa contra as regras da grande indústria. Já está acontecendo. Milhares e milhares de pessoas espalhadas pelos quatro cantos de Mato Grosso produzindo e compartilhando bens culturais, expressões da infinita diversidade cultural humana. Este sinal dos tempos requer acesso, liberdade e ousadia. Por isso, acredito que toda política cultural contemporânea deva ter sua própria “pedagogia da autonomia”.

As políticas culturais do Governo Silval Barbosa estão sendo debatidas e formuladas pela sociedade. Muitas pessoas, ansiosas após tantos anos de silêncio, têm se doado entusiasticamente ao processo de construção democrática. Outros tantos, porém, não conseguem enxergar validade nesse diálogo e o consideram “perda de tempo”. E desses tantos que consideram a cultura “perda de tempo” se encaixa perfeitamente o nobre deputado peemedebista, líder de governo, Romoaldo Aloisio Boraczynki Júnior, que durante entrevista publicada pelo jornal Folha do Estado, no dia 22 de fevereiro, onde declarou ser favorável a extinção da Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso.

O nobre deputado, “pau rodado”, demonstrou ser um leigo no que se diz respeito à cultura cuiabana. O deputado Romoaldo não é matogrossense, não tem raízes, e literalmente provou que não tem respeito com os matogrossenses que concentram aqui fortes raízes culturais. Isso é uma vergonha, o líder de governo deveria defender os interesses públicos, ao invés de pedir a extinção da principal Secretaria do Estado.

Como já dizia meu pai, é o fim dos tempos. Seria um absurdo extinguir uma pasta que demorou anos de luta para se consolidar. Seria o mesmo que extinguir a cultura cuiabana. À população,agradeço a dedicação e a coragem de dividir a responsabilidade pelo desenho de uma política pública. Aos demais "Romoaldo Júnior e companhia ltda", peço que não esperem que este governo assuma o papel nem de pai nem de padrasto, por que o clamor público não vai apoiar.

A integração de Mato Grosso vive além da conjuntura política, a sociedade matogrossense está mobilizada para tornar efetivo o clamor por transformação, e não pela possível extinção da nossa “Cultura”. A expressão que nomeia o evento, “Cultura Colaborativa” é derivada do fenômeno de práticas de colaboração e construção coletiva que começam a caracterizar a sociedade contemporânea.

Nós, que “ocupamos” o Estado, temos que aprender com o exemplo que a sociedade está dando. Temos que aprender a colaborar por um país melhor. Diante de uma conjuntura política e astral que permite sonhar e agir, são três os grandes desafios colocados para a Secretaria de Estado de Cultura de Mato Grosso: aumentar a presença do Estado na cultura, ajudar a constituição de um verdadeiro mercado cultural e ir além,ultrapassando Estado e Mercado, para permitir a ida ao palco de quem nunca saiu da platéia.

Aí eu pergunto como vencer esses desafios se o próprio líder de governo, porta voz do estado na Assembleia Legislativa é o primeiro a jogar pedras? Ao invés de atacar, o governo Silval Barbosa, deveria investir em bibliotecas, salas de cinema e teatros públicos, sobretudo nos municípios do interior. Há enorme carência de apoio público para a formação e qualificação de produtores culturais, técnicos e artistas. Cabe ao Estado a gigantesca empreitada de levar financiamento, acessibilidade e tecnologia aos mais pobres produtores e consumidores de cultura e,em Mato Grosso, essa tarefa esta sendo vedada pelo próprio governo.

Acredito que a Secretaria de Cultura, batalhará com brilhantismo para garantir à diversidade cultural matogrossense a prioridade que sua história e desempenho exigem, assim como já tem feito. Governos, autoridades, descruzem os braços, ao invés de guerrear com a cultura, se unam a ela, comecem a investir em: trabalho autônomo, cooperativas, redes de produção, economia solidária.

Abrir espaço para novos pintores, grupos de capoeira e poetas da praça, invista em artistas da terra. Apoiar o artesanato, as companhias independentes de teatro. Garantir acesso aos meios de produção e distribuição para independentes do vídeo, mídias alternativas ou emergentes bandas de rock. É nesse campo o apoio à produção da multidão que precisa acontecer a revolução cultural que Mato Grosso tanto espera e não na extinção das nossas raízes.

Por Felipe Alves
Fonte: www.santapolítica.com.br

Apae promove Expoflor em Campo Novo!

foto ilustrativa
Acontece de 02 à 04 de março em Campo Novo do Parecis a Expoflor - Festa para quem ama a natureza. Realizado pela APAE de Campo Novo, o evento conta com a exposição de flores e plantas de Holambra.

Local: Salão Paroquial
Horário: das 9:00 ás 21:00 horas

Premissas do ecodesign


Uma nova filosofia de responsabilidade sócioambiental está mudando o conceito de design em todo o mundo. Os profissionais e estudiosos mais antenados já estão aderindo ao ecodesign e ao design sustentável para acelerar a mudança nos processos de produção e consumo e ajudar a criar alternativas sustentáveis para o desenvolvimento.

  • Privilegiar materiais que respeitem o meio ambiente, de procedência ecológica, reciclados, certificados, biodegradáveis, reutilizados, leves, locais, renováveis e abundantes.

  • Aumentar a durabilidade e eficiência do produto

  • Projetar visando a reutilização ou a reciclagem dos materiais e embalagens.

  • Reduzir o mix de materiais, de preferência utilizando apenas um tipo.

  • Facilitar a desmontagem, separação, reposição e conserto das peças.

  • Produzir de forma mais limpa e segura, sem prejudicar o equilíbrio ambiental (de preferência, usando o ciclo fechado, onde os resíduos voltam para a indústria).

  • Eliminar o uso de substâncias nocivas na produção e utilização do produto.

  • Projetar produtos atemporais (sem modismos), anti-obsolescência.

  • Desenvolver produtos multiuso, que possam ser utilizados por vários usuários e em mais de uma função.

  • Estabelecer um sistema de retorno do produto ao fabricante.

  • Reduzir a energia gasta na fase de transporte, otimizando a quantidade de produtos transportados.


  • Cada dia aumenta o número de empresas e designers que trabalham dedicados ao ecodesign. Mas devemos ficar atentos!

    Devido à busca por produtos ecológicos, muitas empresas “mascaram” seus produtos, divulgando-os como se tivessem preocupação ecológica – quando na verdade, a intenção é somente mais lucro. Esta armadilha é comum, e sem a correta informação corremos o risco de cair nela.

    Para refletir!


    "Para aqueles que não entendem de amor, a Terra não é redonda nem quadrada; é chata !"

    Anônimo

    quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

    Do I Have Power (2011)



    Clip de vídeo que criado em 3 meses com base em uma música da banda Timber Timbre. Divirtam-se!

    direção: Carlos De Carvalho
    Gerente de produção: Danset Aude
    Animação: Pierric Danjou, Thomas Lecourt e Charles Lemor
    Direção técnica: Guillaume Baratte
    música: Timbre de madeira "Não tenho poder" (Creep em creepin 'on)
    produção: Je regarde

    Ecodesign: O que é e o que eu tenho a ver com isso?

    Um dos assuntos mais comentados nos últimos anos é, sem dúvida, o ecodesign (ou design ecológico, design verde, eco friendly design, projeto para o meio ambiente e suas variações). Você pode estar se perguntando: “mas afinal, o que é e porque eu deveria me interessar por isso?” Então, essa postagem é pra você. Vamos lá!


    Poltrona feita com madeiras de demolição

    A partir de 1960 percebeu-se que o planeta possuía recursos finitos e que a produção e descarte dos produtos gerava degradação ambiental. Nos anos 90 surge o termo ecodesign para se referir ao método de projetar produtos industriais com pouco impacto no meio ambiente e adaptados ao uso consciente dos recursos naturais – ou seja, relacionando aspectos de projeto e produção com a ecologia – sem invalidar a funcionalidade e utilização dos produtos.

    Para caracterizar um produto como fruto de ecodesign podem ser utilizadas várias abordagens, que se referem à produção, ao tipo de material utilizado e até ao método de descarte. Reduzir, reutilizar, reciclar, aproveitar fontes alternativas de energia e produzir sem excessos são algumas dessas abordagens.

    Por Mariana Piccoli

    Para refletir!


    "Olharmos apaixonadamente uma mesma coisa é, inevitavelmente, começar a amar-se."

    Anônimo

    quarta-feira, 22 de fevereiro de 2012

    Para refletir...!


    Que tolice a nossa... No grande esquema do Tempo somos apenas uma nota de rodapé trivial em nossa breve história do tempo que chamamos de vida!

    Desconheço a autoria

    Fotos do X Parê Folia - 4ª noite


    Clique na foto e acesse a galeria de imagens.

    Fotos do X Parê Folia - 3ª noite


    Clique na foto e acesse a galeria de imagens.

    Democracia: Para refletir! - Lei da Ficha Limpa

    Especialista diz que Ficha Limpa barra políticos que cometeram crimes mesmo antes da lei.


    Para o especialista em Direito Eleitoral Jonas Rachid Murad Filho a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de declarar a constitucionalidade da Lei da Ficha Limpa atende a exigência constitucional de que a probidade é condição indispensável para ocupação de funções públicas. Rachid diz que ainda é preciso esperar a publicação do Acórdão que irá dirimir algumas dúvidas, mas que alguns pontos já estão muito claros.

    Entre as dúvidas a principal era quanto a presunção de inocência –garantida pelo artigo 5º da Constituição - que, para alguns, era ferida pela nova lei. Com a decisão o STF declarou que a Constituição não assegura o direito adquirido à elegibilidade, mas sim condiciona esse direito à moralidade e à probidade.

    “Então, de cara, caiu a situação de que teria que haver trânsito e julgado para sentenças no Direito Eleitoral. Não tem. O trânsito e julgado vai ser só para a área penal. A segunda situação é de que é não poderá ser candidato aquele cidadão que tiver uma condenação em colegiado por improbidade, ou condenação penal, ou seja para os indivíduos que tiveram seus direitos políticos cassados a partir de junho de 2010”, explica Rachid.

    Um outro desdobramento, conta o advogado, é que os ministros disseram que a lei vale a partir de junho de 2010, mas que aqueles indivíduos que estão sendo julgados agora por crimes cometidos antes do surgimento da lei também vão ser alcançados pela Lei da Ficha Limpa se forem condenados por colegiado.

    “A lei retroagiu no tempo. Tem pessoas que estão sendo julgadas hoje em ações que geram inelegibilidade por crimes cometidos há nove, dez, 12 anos atrás. E o STF disse agora ‘Vocês, se forem condenados agora, vão ser ficha suja, vão estar inelegíveis’ (...) e quem estiver nessa condição não vai mais poder ser candidato”, esclarece.

    Retroatividade

    A retroatividade da Lei da Ficha Limpa foi validada quando o Supremo Tribunal Federal acolheu integralmente a ação proposta pelo Partido Popular Socialista (ADC 29 - Ação Declaratória de Constitucionalidade). A ação do PPS pedia que a lei pudesse ser aplicada em condenações e renúncias que ocorreram antes da promulgação da nova lei, em junho de 2010.

    Ao decidir a favor da ação movida pelo partido, na prática o Supremo garantiu a aplicação retroativa da Lei da Ficha Limpa, que passa a valer conforme a proposta original aprovada pelo Congresso Nacional. Ou seja, condenados por crimes cometidos antes da lei também serão barrados e não poderão ser candidatos.

    A Ação foi motivo de intensos debates entre os ministros do STF. Dos sete ministros que votaram pela validade da lei, apenas Marco Aurélio se posicionou contrariamente a retroatividade. Para o ministro, a lei não poderia ser aplicada a casos anteriores a aprovação do texto, em 2010. Foram favoráveis a retroatividade da Ficha Limpa os ministros Luiz Fux, Rosa Weber, Joaquim Barbosa, Cármen Lúcia, Carlos Ayres Britto e Ricardo Lewandowski.

    Já os ministros Gilmar Mendes, Celso de Mello, Cezar Peluso e Antonio Dias Toffoli votaram contra a validação da Ficha Limpa, um projeto de iniciativa popular que recebeu o apoio de mais de 1,5 milhões de pessoas. Com a decisão a lei valerá para as eleições municipais de outubro.

    Redação Diário da Serra

    O carnaval da Jararaca na Terra dos Parecis - Sucesso de público, temática e animação

    As Matinês do X Parê Folia reuniram cerca de duas mil pessoas entre crianças jovens e adultos

    Para refletir!


    "O sorriso que floresce sobre a dor abranda os corações mais endurecidos."

    Anônimo

    segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

    Fotos X Parê Folia - 2ª Noite


    Clique na foto e acesse a galeria de imagens.

    Fotos do X Parê Folia - 1ª Noite


    Clique na foto e acesse a galeria de imagens.

    Carnaval - Previna-se contra a AIDS



    O Lado Positivo do Fabrício from Fabio Bagatoli on Vimeo.

    Para refletir!


    "Nada mais natural nem mais enganador do que se acreditar amado."

    Anônimo

    sábado, 18 de fevereiro de 2012

    Campo Novo divulga X Parê Folia no SBT de Tangará da Serra

    A coordenação do Carnaval 2012 participou do Programa Tangará Urgente, do SBT de Tangará da Serra, na última terça e quinta-feira, divulgando o X Parê Folia, o Carnaval da Jararaca na Terra dos Parecis!


    Alessandra Marques, Vanderlei César e Sílvio Somavila, na terça-feira

    De forma muito descontraída, Sílvio Somavila conduziu as entrevistas destacando a organização do Parê Folia e enfatizando o aspecto temático desta 10ª edição do carnaval. O Bloco da Rainha Louca e a Jararaca de 23 metros geraram os principais comentários, assim como toda a estrutura que será disponibilizada na Praça de Eventos durante as quatro noites e as duas matinés.

    Somavila entrevistou no programa de quinta, a Menina-Moça, representando os aspectos culturais da etnia Paresi-Haliti, aspectos estes que a Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secultur) se empoderou para trabalhar a temática do carnaval a fim de criar uma identidade para o Parê Folia.


    Prefeito Mauro Valter Berft, na entrevista de quinta-feira

    Na entrevista de quinta-feira, o prefeito municipal de Campo Novo do Parecis, Mauro Valter Berft enfatizou que o município está preparado para receber os foliões de Tangará da Serra e região e deixou o convite para que os mesmos venham pular o carnaval de nossa cidade.

    A equipe que participou dos dois programas foi composta pelo secretário municipal de Cultura e Turismo, Vanderlei César Guollo, a diretora de Cultura, Sílvia Schneiders, a assessora de Comunicação, Alessandra Costa Marques, Jefferson Prates, assistente de comunicação, e Larissa Pompermayer, a Menina-Moça.


    Equipe da Secultur e da Comunicação, juntos com Somavila e Ubiratan Coutinho, o Diretor do SBT de Tangará da Serra

    Para refletir!


    "As paixões são como ventanias, que enfunam as velas dos navios. Algumas vezes os submergem, mas sem elas não se pode navegar."

    Anônimo

    sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

    Teatro Juventude do Rio de Janeiro apresentará peça no Cine Teatro Cuiabá


    O Grupo Teatro da Juventude do Rio de Janeiro retorna no mês de março ao palco do Cine Teatro Cuiabá, desta vez com a peça “O Macaco Cozinheiro da Arca de Noé”, dedicada ao público infantil. A montagem aborda o tema da tolerância com as diversidades e faz apresentações na casa: dia 18, domingo, às 15h e às 17h.

    No cenário da “Arca de Noé” todos os bichos precisam interagir e superar suas diferenças em razão da sobrevivência. Personagens como o Macaco, o Leão, o Sapo, o Coelho, o Papagaio, a Cobra, o Cachorro e outros, costuram um trabalho carregado de humor, onde toda a ação cênica transcorre entre risos e reflexões, devidamente alinhavados pelo simpático e astuto Macaco, o Sr. “Chico Bananada”, o cozinheiro da Arca. A montagem permite grande interação e cumplicidade entre palco e plateia, proporcionando ao público infantil, por meio de uma linguagem acessível, conclusões diante do tema abordado.

    A peça é uma continuação do projeto central do Teatro da Juventude do Rio de Janeiro, que buscar levar a arte teatral com qualidade e criatividade a todo o território nacional, através de produções dirigidas às crianças. Há cinco décadas o grupo realiza seu projeto de formação de plateias, uma iniciativa totalmente particular, que tem alcançado expressivo sucesso. Esta é a segunda vez que o grupo apresenta-se no Cine Teatro Cuiabá. Em julho de 2011, a peça escolhida foi “Os Três Porquinhos ou Confissões de um Menino Levado”.

    “O Macaco Cozinheiro da Arca de Noé” tem como ator Marcelo Dusi, profissional com 32 anos de trabalho. Já o texto e produção são de Luiz Arthur. 

    Horários: 18 de março, domingo, às 15h e às 17h
    Ingressos: na bilheteria do CTC, sábado das 14h às 18h, e nos dias de espetáculo das 14h até o início das apresentações.
    Valor: 50 reais e 25 reais (meia) 

    O Autor

    Luiz Arthur é filiado a Sociedade Brasileira de Autores Teatrais, desde 1965, e teve como padrinhos os dramaturgos Joraci Camargo e Luiz Peixoto, grandes expoentes do teatro brasileiro. Seu primeiro texto foi escrito aos 14 anos de idade. Hoje possui uma vasta obra com mais de 50 textos e há cerca de 30 anos escreve exclusivamente para crianças. Paralelamente foi o professor de teatro em diversos cursos livres por todo o País e também em grandes colégios do Rio de Janeiro, como Instituto de Educação do Estado de Guanabara, Colégio São Vicente de Paula, Colégio Divina Providência, Colégio Pedro II, Faculdade de Humanidades Pedro II.

    É jornalista com experiência nos principais jornais do Rio de Janeiro e em duas emissoras de TV. Foi premiado pelo Serviço Nacional de Teatro, órgão hoje ligado ao Ministério da Cultura, recebendo prêmios de Autor, Cenógrafo, Diretor, Figurinista, Iluminador em diversas mostras e festivais de Teatro. Atualmente dedica-se à direção e dramaturgia com a Companhia de Teatro Juventude.

    Juíza disciplina participação de menores no carnaval de Campo Novo do Parecis

    Atenção pais e responsáveis compoparecienses com crianças e adolescentes nas festividades carnavalescas.


    Público nas matinés do IX Parê Folia, em 2011

    A Juíza de Direito da Vara de Infância e Juventude da Comarca de Campo Novo do Parecis, Hanae Yamamura de Oliveira Gabriel através da Portaria nº 01/2012 determina que, fica proibida a presença de menores de 14 anos em bailes de carnaval no período noturno, entre às 19:00 horas de um dia e 06:00 horas do dia seguinte.

    Já adolescentes entre 14 e 16 anos só poderão participar das festividades carnavalescas no período noturno portando documento pessoal com foto e autorização dos pais. Acima de 16 é obrigatória a apresentação de documento pessoal com foto, o que será exigido pela organização do evento.

    Crianças menores de 7 anos poderão participar de blocos carnavalescos, nas matinês até às 19:00 horas, acompanhadas dos pais ou responsáveis.

    Organizadores e promotores de eventos, bem como presidentes de blocos de carnaval que descumprirem as normas disciplinares, correm risco de serem multados em até R$ 12.440,00.

    Fonte: Parecis.Net

    Para refletir!


    "Não podemos crer na total transparência dos seres; é necessário aceitar que os outros tenham segredos, regiões de solidão. A maior prova de amor será colocar-se à distância e não querer aí penetrar."

    Anônimo

    quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

    As Possibilidades da Arte! - Morte


    Porque a morte vem
    Chega quando a gente menos espera
    Quando achamos que ele não vem mais
    Que estamos livres
    Chega de supetão
    E faz estrago
    Abala a todos
    Até aqueles que não endereçaram
    Faz estrago profundo
    Deixa a gente sem palavras
    Sem força pra compor poesia
    Toda hora morre alguém
    Gente nova
    Que tem vida pela frente
    Que acabou de nascer
    Assim ela vem
    Chega sem avisar
    Vai embora e leva alguém
    É injusta, não é justa
    É erro gramatical
    É teimosa e não volta atrás
    Faz a gente se perder no Horizonte
    Dá calafrios,
    Tremedeira, fraqueza,
    Deixa-nos perturbado
    É pior que dor de amor
    Corroe mais que paixão
    Faz de tudo
    Dá de tudo
    E não acostuma ninguém
    Tenho medo da morte
    Senhora belíssima
    Que encanta e não perdoa
    Quando chega leva!
    E parti sem olhar pra trás
    Assim que ela vem
    Todo mundo treme.


    Vini Hoffmann

    O Carnaval da Jararaca no X Parê Folia - 2012

    Para refletir!


    "Amizade é como música: duas cordas afinadas no mesmo tom vibram juntas."

    Anônimo

    X Parê Folia promove Concurso de Fantasias Infantis


    A 10ª edição do Parê Folia, "o Carnaval da Jararaca na Terra dos Parecis!", promoverá nas matinés de domingo (19.02) e na terça-feira de carnaval (21.02), o Concurso de Fantasias Infantis masculino e feminino.

    O concurso, que acontece desde 2003 na primeira edição do Parê Folia, tem atraido um número cada vez maior de crianças fantasiadas para a Praça de Eventos, local de realização do mesmo. Avaliados por um Corpo de Jurados especialmente convidado para o evento, o Concurso de Fantasias Infantis premiará os 3 primeiros lugares nas categorias masculino e feminino de 0 a 5 anos, e de 6 anos acima.

    Para concorrer, basta procurar a Comissão Organizadora do concurso, que estará inscrevendo as crianças fantasiadas na tarde de domingo e de terça-feira, no próprio local.

    As matinés acontecem a partir das 15h e serão animadas pela Banda Zatter, do Paraná.

    terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

    O bom teatro de Mato Grosso


    A falta de incentivo por parte do governo – incluindo a falta de um Plano Estadual e Municipal de Cultura, a falta de espaços para ensaiar e apresentar, a ausência do (re)conhecimento da importância da arte e a ausência de oportunidades de capacitação para a classe artística e de estímulo para a formação de público são alguns dos motivos que fazem com que os grupos e companhias de teatro que atuam em Mato Grosso recorram a editais nacionais, sejam eles da esfera federal ou de empresas particulares que incentivam a cultura.

    Levando isso em consideração, alguns trabalhadores que tentam fazer arte em nosso Estado estão sempre suando a camisa e correndo atrás das oportunidades. Uma delas diz respeito aos editais federais. A Cia Arte Negus, por exemplo, foi contemplada no final do ano passado no Prêmio de Montagem Arte na Rua pela Fundação Nacional das Artes (Funarte), com o espetáculo chamado “Ambulante”.

    A Cia Arte Negus conta que nesse trabalho a intenção de apresentar uma imagem dos negociantes de rua por meio de uma apresentação artística, uma união de duas estruturas, o comércio e as artes, que sempre caminharam muito próximas uma da outra, e que nesse espetáculo estão coladas, sobrepostas, mescladas. É um espetáculo de rua onde não há divisões entre o público e o espaço cênico, a hierarquia espectador versus artista é rompida em favor de apresentações que são feitas para e pelo público.

    Nesse mesmo prêmio, o grupo de teatro Tibanaré foi contemplado com o espetáculo Passeio Noturno. Baseado em pesquisas sobre a cultura popular cuiabana, o espetáculo contará com lendas cuiabanas e alguns fatos históricos passados no Centro Histórico da capital de outrora. O roteiro trará à tona fatos históricos pouco conhecidos pela sociedade cuiabana. Trabalhando com teatro de intervenção, o espetáculo será apresentado em cinco lugares diferentes, sempre ao entardecer. Um grupo de atores dramatizará uma lenda possibilitando um passeio pelas ruas e pelas histórias de Cuiabá pouco conhecidas pela própria sociedade cuiabana.

    O Teatro Experimental de Alta Floresta foi contemplado – pela terceira vez – com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2011. O TEAF concorreu com o projeto de montagem do espetáculo teatral “Santa Joana dos Matadouros”, de Bertolt Brecht, um dos mais importantes teatrólogos que deixou um legado extraordinário para o teatro mundial. Santa Joana dos Matadouros é um texto escrito na década de 1940, ainda na fase jovem de Brecht, e aborda a crise econômica de década de 1920.

    O espetáculo adotará uma estética popular e formato que permitam apresentações em espaços alternativos e em teatro convencional, possibilitando a circulação da peça em cidades e/ou setores rurais que não disponham de um Teatro. A pesquisa teve início em janeiro e a estreia está prevista para julho, mês de aniversário do grupo, com temporadas em Alta Floresta e Cuiabá/MT.

    Segundo o presidente do Teatro Experimental, Gean Nunes, o prêmio auxiliará na concretização da proposta. “Já havíamos definido que em 2012 montaríamos Santa Joana e já demos início a alguns estudos.
    Agora, com o prêmio conquistado nesta semana, é a certeza de que nosso objetivo será concretizado”, disse.

    A Cia Spíritis, de Juína, teve o projeto “Pequeno Artista – Teatro como instrumento de educação e inclusão social” contemplado pelo programa Criança Esperança, da parceria entre Rede Globo e UNESCO.
    Este projeto atenderá 100 crianças e adolescentes entre 12 e 16 anos em um espaço que será locado e equipado para estimular o pensamento artístico e a percepção estética, além de cursos de teatro para esses jovens.

    Conforme o produtor cultural e diretor da Cia Spírits, Vanderley José dos Santos, os jovens terão a oportunidade de estudar a história do teatro, jogos dramáticos, aulas de expressão corporal, musicalidade cênica, criação de cenários. Além disso, os jovens participarão da produção de um espetáculo que deverá ser apresentado para a sociedade juinense como resultado do trabalho desenvolvido ao longo do ano.

    Fonte: Ariane Laura - Diário de Cuiabá

    Dicas de Carnaval

    Aproveite bem seu Carnaval mas com saúde; brinque o carnaval, mas não adoeça! Acompanhe aqui algumas dicas.


    O Carnaval começa no próximo sábado e com ele, problemas de viroses e até mesmo de muita ressaca no último dia. Assim, preparamos um guia para que você possa curtir o seu carnaval sem adoecer:

    1 - Alimentar-se bem! Tomar um café da manhã reforçado, rico em proteínas (como queijo e frios) e carboidratos (como frutas e pão) para repor as energias perdidas na folia.

    2 - Evitar: Frituras e comidas pesadas que provocam sensação de cansaço e sonolência, estragando sua disposição para pular naquele bloco.

    3 - Fazer refeições leves e equilibradas. Faça isso em intervalos mais curtos que o normal. Nada de combinar com os amigos de fazer "aquela" feijoada. Deixe isso para outro dia.

    4 - Ter cuidado no armazenamento dos alimentos. Armazená-los em locais limpos e refrigerados, para que não haja contaminação, podendo causar infecções intestinais. Cuidado principalmente com maionese, que deteriora com minha facilidade!

    5 - Na hora da folia: Sachês de mel, banana-passa e barrinhas de cereais ajudam a manter o pique e podem ser levados no bolso. Ingerir mais água é fundamental neste período.

    6 - Não consumir bebidas alcoólicas de estômago vazio. Intercalar a bebida com água mineral para não desidratar. E, lembre-se - Nunca dirigir depois de beber.

    Assim você aproveita bem o seu carnaval, com a certeza de que estará super bem para retornar ao trabalho na quarta-feira de cinzas.

    Fonte: Parecis.Net

    Para refletir!


    "Devemos cuidar de sempre dar um passo à frente, por menor que seja esse passo."

    Anônimo

    segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

    Concurso de Blocos Carnavalescos do X Parê Folia pagará R$ 2 mil ao vencedor

    Poderão inscrever-se blocos de carnaval representantes de clubes sociais, recreativos, culturais, esportivos, centros acadêmicos, entidades diversas, comércio, indústrias, escolas e etc.


    CONCURSO DE BLOCOS CARNAVALESCOS/2012

    CAPÍTULO I
    Das Normas do Concurso

    Art.1º- O Concurso de Blocos Carnavalescos do X Parê Folia/2012, será promovido pelo Governo Municipal, através da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo - SECULTUR.

    Art.2º - Poderão inscrever-se blocos de carnaval representantes de clubes sociais, recreativos, culturais, esportivos, centros acadêmicos, entidades diversas, comércio, indústrias, escolas e etc...

    Art. 3º - As inscrições serão realizadas junto à SECULTUR, sito à Rua Severino Euflasino de Lima, 1206 - NE, fone: 3904-2095 até às 17h do dia 14 de fevereiro do corrente.

    Art. 4º - O Responsável pelo Bloco deve preencher a ficha de inscrição atendendo os seguintes itens abaixo relacionados:
    a) Nominação do bloco;
    b) Cada bloco deve inscrever no mínimo 50 e no máximo 150 foliões.
    c) Música-Tema abordada pelo bloco. (Entregar CD com a música gravada no ato da inscrição).

    Parágrafo Único – Só serão aceitas as inscrições de menores nos blocos carnavalescos mediante apresentação da documentação exigida e observada em todos seus artigos, a Portaria expedida pela MM. Juíza da Infância e Juventude.

    Art. 5º - A partir do ato da inscrição os blocos comprometem-se aceitar plenamente o presente regulamento.

    CAPÍTULO II
    Da Realização

    Art. 6º - O concurso será realizado na Praça de Eventos durante o X Parê Folia dos dias 18 a 21 de fevereiro do corrente, a partir das 23h.

    Art. 7º - O Dirigente do bloco deverá participar de reuniões para definição dos locais e horários de concentração, sorteio da ordem do desfile e apresentação, definidos em conjunto entre Blocos e Comissão Organizadora.

    Parágrafo Único – O sorteio para ordem de desfile será realizado na SECULTUR no dia 14 de fevereiro às 15h, bem como serão dados os esclarecimentos finais em relação ao desfile dos Blocos.

    Art. 8º - Os blocos carnavalescos deverão estar no espaço determinado para o desfile com pelo menos 30 minutos de antecedência ao horário estipulado para entrada do respectivo bloco.

    Art. 9º - Será feita a contagem dos foliões na portaria pela Comissão Organizadora, sendo que o bloco que não alcançar o número mínimo, ou ultrapassar o número máximo de foliões será desclassificado.

    CAPÍTULO III
    Do Desfile

    Art. 10º- A organização do bloco para o desfile deverá ser a seguinte:
    a) Porta-Bandeira/Estandarte;
    b) Foliões do bloco com abadá.

    Art. 11º - A identificação dos blocos perante os Conselheiros da Folia será feita através de estandarte ou bandeira contendo o nome do bloco.

    Art. 12º - Os blocos deverão entrar em desfile e terão o tempo máximo de 5 (cinco) minutos para sua apresentação.

    Art. 13º - O não comparecimento de qualquer um dos Blocos em qualquer uma das noites implicará na desclassificação do mesmo.

    Art. 14° - O Bloco carnavalesco deverá permanecer na festa no mínimo durante 3 horas a contar do momento de sua apresentação.

    CAPÍTULO IV
    Dos Impedimentos e das Penalidades

    Art. 15º- É expressamente proibido aos Blocos:

    a) Presença de alegorias pesadas (carros alegóricos);
    b) Praticar atos que impliquem em desrespeito ao público e aos foliões dos desfiles;
    c) Apresentar-se sem a farda de folião do bloco (abadá);
    d) Utilização de carro de som nas proximidades da Praça de Eventos;
    e) Envolvimento em brigas e conflitos ou agressões físicas;
    f) Uso de substâncias ilícitas;

    Art. 16º - Os Blocos que cometerem atos vetados no artigo anterior serão penalizados conforme segue:
    a) Letra A – menos 05 (cinco) pontos;
    b) Letras B,C,D – menos 10 (dez) pontos;
    c) Letras E e F – menos 20 (vinte) pontos.

    CAPÍTULO V
    Do Julgamento

    Art. 17º - O julgamento dos Blocos será realizado pelos Conselheiros da Folia nas 3 (três) primeiras noites do evento.

    Art. 18º - O Conselho da Folia será composto por 9 (nove) membros, que terão os seguintes encargos:
    a) Julgamento dos blocos;
    b) Cronometragem;
    c) Avaliação;
    d) Apuração.

    Art. 19º - Todos os Conselheiros da Folia serão indicados pela Comissão Organizadora do X Parê Folia/2012.

    Parágrafo 1º - Ao término do desfile de cada noite cabe aos Conselheiros entregar em envelope lacrado os resultados à Comissão Organizadora.

    Parágrafo 2º - A Comissão Organizadora do X Parê Folia em caso de força maior ou ocorrendo fatos que independam de sua vontade, poderá substituir os Conselheiros da Folia que atuariam nos desfiles por outros de idoneidade e notório saber devidamente comprovados.

    Art. 20º - O julgamento dos blocos será feito por 9 (nove) Conselheiros (3 por noite) conforme segue:

    Parágrafo 1º - Atribuir notas de 5 (cinco) a 10 (dez) nos quesitos:
    a) Animação;
    b) Conjunto;
    c) Farda de Folião (abadá);
    d) Porta-Bandeira/Estandarte.
    Parágrafo 2º - Anotar as penalidades conforme Capítulo IV e art. 16º do Regulamento.

    CAPÍTULO VI
    Da Apuração

    Art. 21º - A avaliação dos Blocos será feita dos dias 18 a 20 (sábado a segunda), sendo que o resultado oficial será divulgado após a apresentação dos blocos no dia 21 (terça-feira).

    Parágrafo Único – A apuração dos Votos será feita por 3 (três) membros da organização, somando-se as notas dos Conselheiros da Folia, descontando-se os pontos das penalidades, caso houver.

    Art. 22º - Havendo empate entre 02 (dois) ou mais Blocos, o desempate terá por critério a maior pontuação no quesito animação.

    CAPÍTULO VII
    Da Premiação

    Art. 23º- Os Blocos vencedores receberão a seguinte Premiação:

    1º Lugar......................................R$ 2.000,00 (Dois mil reais)
    2º Lugar......................................R$ 1.500,00 (Hum mil e quinhentos reais)
    3º Lugar......................................R$ 1.000,00 (Hum mil reais)

    CAPÍTULO VIII
    Das Disposições Finais

    Art. 24º - Os casos omissos deste Regulamento serão resolvidos pela Comissão Organizadora, não cabendo reclamação ou recurso por parte dos Blocos inscritos.

    Art. 25º - O presente Regulamento entra em vigor nesta Data.

    Campo Novo do Parecis, 08 de Fevereiro de 2012.



    VANDERLEI CÉSAR GUOLLO
    Secretário Municipal de Cultura e Turismo
    Portaria 028/2012

    Para refletir!


    "Não podemos evitar que os pássaros da amargura voem sobre nossas cabeças, mas podemos evitar que eles façam ninhos em nossos cabelos."

    Eduardo Galeano

    O perigo da Desertificação - Para refletir!


    O processo de desertificação é um fenômeno que corresponde à transformação de uma área em um deserto. Áreas que antes possuiam uma grande diversidade de fauna e flora são transformadas em grandes extensões de terra estéril. Neste processo de degradação, milhares de animais são mortos e é exatamente esta situação que a WWF quer combater.

    Além da morte dos animais, milhares de pessoas são afetadas. Sem conseguir usar a terra para o plantio estas pessoas ficam sem opção e migram para outras regiões, para se ter uma idéia já são mais de 2,6 bilhões de pessoas afetadas pela desertificação.


    E os dados continuam alarmantes: já se perdem a cada ano 2,7 bilhões de toneladas de solo e 33% da superfície terrestre esta em risco. Aqui no Brasil as regiões de clima semiárido são as que mais correm risco sendo a região Nordeste e o norte de Minas Gerais as mais afetadas pelo fenômeno.


    As alterações climáticas e a ação do homem são as principais causas do fenômeno que se expande ao redor do mundo e nós podemos tomar a frente para freiar a desertificação do planeta. Combatendo o aquecimento global,o desperdício e o mal uso de água, o uso inadequado dos recursos na agropecuária é possível começar a conter esta expansão.

    Cabe a nós exigir do estado e das empresas que tenham responsabilidade com o manejo dos recursos naturais. Faça com que o meio ambiente, as pessoas e estes animais em risco sejam escutados, basta pensar um pouco e trazer para a mesa esta questão na próxima vez em que for consumir ou apoiar empresas e representantes.

    Guilherme Augusti Negri